Dia Internacional da Mulher


História do 8 de março
     No Dia 8 de março de 1857, operárias de uma fábrica de tecidos, situada na cidade norte americana de Nova Iorque, fizeram uma grande greve.
     Ocuparam uma fábrica e começaram a reivindicar melhores condições de trabalho, como: redução na carga diária para dez horas (as fábricas exigiam 16 horas de trabalho diário), igualar os salários com os homens (as mulheres chegavam a receber até um terço do salário de um homem, para executar o mesmo tipo de trabalho) e tratamento digno dentro do ambiente de trabalho.
A manifestação foi reprimida com total violência. As mulheres foram trancadas dentro da fábrica, que foi incendiada. Aproximadamente 130 tecelãs morreram carbonizadas, num ato totalmente desumano.
     Porém, somente no ano de 1910, durante uma conferência na Dinamarca, ficou decidido que o 8 de março passaria a ser o "Dia Internacional da Mulher", em homenagem as mulheres que morreram na fábrica em 1857. Mas somente no ano de 1975, através de um decreto, a data foi oficializada pela ONU (Organização das Nações Unidas).
Objetivo da Data
     Ao ser criada esta data, não se pretendia apenas comemorar. Na maioria dos países, realizam-se conferências, debates e reuniões cujo objetivo é discutir o papel da mulher na sociedade atual.
     O esforço é para tentar diminuir e, quem sabe um dia terminar, com o preconceito e a desvalorização da mulher. Mesmo com todos os avanços, elas ainda sofrem, em muitos locais, com salários baixos, violência masculina, jornada excessiva de trabalho e desvantagens na carreira profissional. Muito foi conquistado, mas muito ainda há para ser modificado nesta história.

Conquistas das Mulheres Brasileiras 
     Podemos dizer que o dia 24 de fevereiro de 1932 foi um marco na história da mulher brasileira. Nesta data foi instituído o voto feminino durante o governo de Getúlio Vargas com um código eleitoral provisório, depois de uma intensa campanha nacional.
     Foi aprovado, inicialmente, que apenas mulheres casadas, viúvas e solteiras, que tivessem renda própria, teriam direito a exercer a cidadania. Só dois anos depois, as restrições ao voto feminino foram eliminadas do Código Eleitoral, embora a obrigatoriedade do voto fosse um dever masculino.
     No Brasil algumas mulheres foram pioneiras na conquista do voto feminino, a exemplo de Bertha Lutz. Só depois de muitos anos de reivindicações e discussões, o direito de votar e serem eleitas para cargos no executivo e legislativo.
Dados divulgados pela Justiça Eleitoral da Paraíba revelaram que as mulheres, nas últimas eleições, lideravam o eleitorado paraibano com 52,69% do total de 2.740,079 eleitores. Ou seja: eram 1.416.574, ao passo que os homens foram 1.349.897 (47,31%).   
     A professora Elinaide de Carvalho exerceu pela primeira vez o poder do voto quando tinha 18 anos. Desde então, nunca abdicou de votar. Hoje, aos 45 anos, ela destaca a importância da participação feminina no processo eleitoral. “Essa acessibilidade ao voto foi de grande importância para nós mulheres. É a maneira mais democrática do público feminino exercer a cidadania”, enfatiza.
A atuação das mulheres no dia-a-dia
Homenageando as tecelãs de uma fábrica de tecidos de Nova Iorque, que por falta de melhores condições de trabalho fizeram uma grande greve, mas foram repreendidas sendo trancadas e incendiadas. Décadas depois foi realizado uma conferência na Dinamarca onde criou o... 
Dia Internacional da Mulher Dia Internacional da Mulher Reviewed by Walter Rafael Bezerra on 3/08/2011 09:47:00 PM Rating: 5

WRB nas redes sociais