Dólar está em alta! Saiba mais

ideias para ganhar dinheiro online hoje
O dólar comercial atingiu nesta quarta-feira (21)  R$ 2,095, maior cotação em mais de três anos e meio. Com a moeda norte-americana valendo quase R$ 2,10, quem vai fazer viagens internacionais pode estar se perguntando se este é o momento certo para comprar dólares. Quem pretende viajar a partir de janeiro, no entanto, deve esperar. “É uma tendência, as altas do dólar são sempre rápidas e pegam a todos de surpresa. Mas, a médio prazo, é natural que a cotação se estabilize ou mesmo volte a cair um pouco”, disse Barbosa.
No médio prazo (para viagens em dezembro, por exemplo), uma boa saída pode ser comprar o máximo possível de dólares agora, e deixar uma parte para adquirir mais perto da data. “Digamos que a pessoa pretenda gastar US$ 4.500 na viagem. O ideal é que ela compre US$ 2.500 (55%) ou US$ 3.000 (66%) agora, e o restante da quantia em uma data mais próxima da viagem”, exemplifica o operador.
Fernando Bergallo, da TOV Corretora, diz que vale comprar tudo já. “O mais importante é 'travar' o custo da viagem em dólares para evitar surpresas. É possível fazer isso comprando em espécie [a moeda em si] ou por meio dos cartões pré-pagos”, afirma. O operador conta que ele mesmo foi surpreendido pela variação cambial. “Estive em Nova York e calculei meus gastos baseado em uma  taxa de câmbio próxima dos R$ 2,02. Mas a cobrança dos cartões de crédito não leva em conta a data da compra, e sim a de fechamento da fatura. Então, nos próximos dias devo receber minha fatura calculada com base em um dólar de R$ 2,09.”
Mas ele faz uma ressalva: “Para quem vai programar viagem, a compra de dólares deve ser feita levando-se em conta o próprio fluxo de caixa. É mais importante prestar atenção na própria renda do que na oscilação do câmbio. Se, para comprar dólares em um momento em que esteja barato for preciso abrir mão de outro investimento, a operação pode não ser vantajosa”.
Maurício Barbosa afirma que mesmo quem não pretende viajar neste fim de ano pode aproveitar para comprar dólares. “O que acontece é que as pessoas se relacionam com o dólar da mesma forma que com remédios: só compram quando estão precisando”. Mas, na opinião do operador, a compra é vantajosa em qualquer momento, em alta ou baixa. “Apesar de a cotação subir ou descer, a moeda é forte e compensa o investimento.”

  • Porque o dólar está tão alto?

Alguns fatores influenciaram a alta do dólar no cenário externo nos últimos dias. O principal foi o medo dos investidores. Com a situação econômica instável nos Estados Unidos e na Europa, os investidores acabam tirando investimentos dos países emergentes. Os países do bloco conhecido como Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) são os primeiros a sofrer. “Quer dizer: quando os investidores veem a perspectiva de problemas, tiram dinheiro do Brasil”, declara Fernando Bergallo.
Em outubro, por exemplo, a balança comercial do país registrou a maior saída de dólares desde 2010. “Quando há pouca entrada ou muita saída de dólares em um país, a cotação da moeda tende a subir. Com menos dólares no país, passa a valer a lei da oferta e demanda, e o preço sobe”, afirma.

Em agosto do ano passado, o dólar atingiu a cotação mínima de R$ 1,59. A partir daí, diz Fernando Bergallo, o Banco Central começou a interferir na variação cambial. A intenção é ajudar o exportador e fortalecer a indústria nacional.
Quando o dólar cai, isso é bom para quem viaja ao exterior ou compra produtos importados. Mas é ruim para as empresas brasileiras. As que exportam ficam com os preços mais caros que a concorrência de outros países. Também é negativo para as empresas brasileiras que só vendem internamente, pois o preço dos produtos importados pode ser menor. Isso faz as vendas caírem e provoca demissões. Eventualmente, as empresas podem fechar, causando o que se chama de desindustrialização do país.
O Banco Central tenta evitar isso, mantendo o dólar dentro de uma chamada 'banda informal' -um limite mínimo e máximo que a cotação pode atingir. “Por mais que a política de banda cambial tenha sido abolida, o BC continua atuando por meio de leilões de compra e venda de dólares. Ele tem munição para manter o dólar em um patamar que seja conveniente aos planos macroeconômicos, o que, atualmente, está entre R$ 2 e R$ 2,15”, declara Bergallo.
No fim da tarde de quarta, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse que a recente alta da moeda norte-americana reflete o movimento de outras moedas no exterior e que o real teve uma "flutuação normal". Ao destacar que a valorização da moeda dos EUA ocorre também em relação a várias outras, Mantega afirmou que o objetivo do governo é atuar o mínimo possível no mercado cambial.

  • OS DOIS LADOS DA MOEDA:

O dólar baixo é bom para o consumidor, mas ruim para as empresas e
a economia em algumas situações. Entenda as razões
DÓLAR BAIXO É BOM PARA:
Viagens ao exterior – Se US$ 1 valesse R$ 1,50, uma viagem de U$ 1.000 custaria R$ 1.500. Mas, se o dólar estivesse em R$ 2,00, a mesma viagem ficaria em R$ 2.000
Comprar importados – Os produtos importados ficam mais baratos. As indútrias também compram equipamentos e matéria-prima por preços menores
Reduzir a inflação – Com a concorrência de produtos importados, as empresas nacionais reduzem os preços de itens similares
Diminuir dívidas de empresas – Quanto mais cai o dólar, menor a dívida. Uma empresa que deva US$ 100 mil no exterior pagaria R$ R$ 150 mil (com o dólar a R$ 1,50) ou R$ 200 mil (com câmbio de R$ 2,00)
DÓLAR BAIXO É RUIM PARA:
Exportações – Os produtos brasileiros ficam mais caros no exterior. Um importador estrangeiro tem de gastar mais dólares para comprar o mesmo produto. Um carro brasileiro de R$ 30 mil custaria US$ 15 mil (com o câmbio a R$ 2,00). Se o dólar caísse para R$ 1,50, o mesmo veículo custaria US$ 20 mil (33% ou US$ 5 mil a mais)
Produção nacional – O consumidor pode trocar produtos nacionais por importados, o que enfraquece as vendas brasileiras, causa risco de desemprego e pode até fechar as empresas afetadas
Dólar está em alta! Saiba mais Dólar está em alta! Saiba mais Reviewed by Walter Rafael Bezerra on 11/22/2012 03:33:00 PM Rating: 5

WRB nas redes sociais