Aquecimento Global, suas causas, consequências e soluções



Olá leitores do Blog WRB, estamos com um assunto que deveria ser de atenção à toda humanidade, mas infelizmente poucos interessam no aquecimento global, como o título já informa, nesse artigo vamos apresentar as suas causas efeitos e soluções desse tema tão importante. Diariamente os meios de comunicações anunciam as catástrofes climáticas e as mudanças que estão ocorrendo, rapidamente, no clima mundial.

E agora mais constantes e com efeitos devastadores como tem ocorrido nos últimos anos. A exemplo Europa tem sido castigada por ondas de calor de até 40 graus centígrados. Pesquisadores afirmam que este aquecimento global está ocorrendo em função do aumento da emissão de gases poluentes, principalmente, derivados da queima de combustíveis fósseis. Estes gases (ozônio, dióxido de carbono, metano, óxido nitroso e monóxido de carbono) formam uma camada de poluentes, de difícil dispersão, causando o famoso efeito estufa. Este fenômeno ocorre, pois, estes gases absorvem grande parte da radiação infravermelho emitida pela Terra, dificultando a dispersão do calor.

Principais causas

1 - Aumento da emissão dos gases do efeito estufa - Causado, principalmente, pelo aumento do uso de combustíveis fósseis (gasolina e diesel). Os principais gases que favorecem o aquecimento global são:
- Dióxido de Carbono - CO2
- Gás Metano - CH4
- Óxido Nitroso - N2O
- Perfluorcarbonetos
- Hexafluoreto de Enxofre - SF6
- Hidrofluorcarbonetos - HFCs
2 - Queimadas de matas e florestas - Além de reduzir a quantidade de árvores, que servem como reguladoras da temperatura, as queimadas jogam gases poluentes na atmosfera.
Relatório da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO, na sigla em inglês) indica que o desmatamento ocorrido no Brasil entre 2000 e 2005 responde por 42% da perda de áreas florestais no mundo.
Foto: Bagunça de erros Cometidos
Nesse período, segundo o relatório, o país perdeu uma média de 31 mil km²de florestas a cada ano, incluindo todos os biomas. Em cinco anos, uma área do tamanho do estado do Acre teria sido desmatada no Brasil, pouco mais de 150 mil km².
Indonésia:
Segunda colocada no ranking do desmatamento entre 2000 e 2005, a Indonésia perdeu 18,7 km² de matas a cada ano. A marca consagra o país como o que está reduzindo mais rapidamente o tamanho de suas florestas primárias. A cada ano, 2% de seus remanescentes florestais desapareceram, enquanto no Brasil essa taxa alcançou 0,6% do total.
 “Os incêndios em áreas de concessão florestal e em florestas plantadas já tornaram a Indonésia o terceiro maior emissor de gases do efeito estufa", esclarece Hapsoro, da campanha de Florestas do Greenpeace na Indonésia.
Depois do Brasil e da Indonésia, o Sudão, na África, foi o país que mais desmatou entre 2000 e 2005, 5,8 mil km² a cada ano.
Amazônia:
A área total desmatada na Amazônia já equivale a mais de dez vezes a área cultivada com cana-de-açúcar no país, que, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, alcançava 50 mil km² em 2005. Nos últimos dois anos, entretanto, segundo os dados do governo brasileiro, o desmatamento caiu de 27 mil km² (2003/2004) para aproximadamente 14 mil km² (2005/2006). Isso se deveu a uma série de fatores estruturantes, como a criação de unidades de conservação e o combate à corrupção nos órgãos públicos, às máfias de grilagem de terras e à produção de madeira ilegal.
“Se os governos federal e estaduais não investirem mais em fiscalização e em alternativas econômicas que não destroem a floresta, bastará o preço da soja e da carne bovina subirem no mercado internacional para aumentar a pressão sobre a floresta” complementa Marquesini.
Clareira aberta na mata, próximo de Porto Velho. (Foto: João Ramid)
3 - Desmatamento - Tem ocorrido, principalmente em países em desenvolvimento, como forma de ampliar as áreas para agricultura e pastagem de animais, além da exploração de madeira. Com menos cobertura de árvores e plantas, aumenta a temperatura do meio ambiente. O desmatamento e a queimada de florestas e matas também colabora para este processo. Embora este fenômeno ocorra de forma mais evidente nas grandes cidades, já se verifica suas consequências em nível global.
4 - Desenvolvimento urbano sem planejamento - Diminui as áreas verdes nas cidades, aumentando a quantidade de concreto. Esse fato favorece a  formação de ilhas de calor.
5 - Desertificação - Queimadas e desmatamento podem resultar no processo de desertificação (formação de desertos) em várias regiões do mundo.
  • Efeito Estufa:
O efeito estufa tem colaborado com o aumento da temperatura no globo terrestre nas últimas décadas. Pesquisas recentes indicaram que o século XX foi o mais quente dos últimos 500 anos. Pesquisadores do clima afirmam que, num futuro próximo, o aumento da temperatura provocado pelo efeito estufa poderá ocasionar o derretimento das calotas polares e o aumento do nível dos mares. Como consequência, muitas cidades litorâneas poderão desaparecer do mapa.

Como é gerado 
O efeito estufa é gerado pela derrubada de florestas e pela queimada das mesmas, pois são elas que regulam a temperatura, os ventos e o nível de chuvas em diversas regiões. Como as florestas estão diminuindo no mundo, a temperatura terrestre tem aumentado na mesma proporção.
Outro fator que está gerando o efeito estufa é o lançamento de gases poluentes na atmosfera, principalmente os que resultam da queima de combustíveis fósseis.
Imagem: Geografalando
Problemas futuros 
Pesquisadores do meio ambiente já estão prevendo os problemas futuros que obviamente atingir nosso planeta caso esta situação persista. Muitos ecossistemas poderão ser atingidos e espécies vegetais e animais poderão ser extintos. Derretimento de geleiras e alagamento de ilhas e regiões litorâneas. Tufões, furacões, maremotos e enchentes poderão ocorrer com mais intensidade.

Consequências

-         Aumento do nível dos oceanos: com o aumento da temperatura no mundo, está em curso o derretimento das calotas polares. Ao aumentar o nível da águas dos oceanos, podem ocorrer, futuramente, a submersão de muitas cidades litorâneas; ilhas e etc.
-         Crescimento e surgimento de desertos: o aumento da temperatura provoca a morte de várias espécies animais e vegetais, desequilibrando vários ecossistemas. Somado ao desmatamento que vem ocorrendo, principalmente em florestas de países tropicais (Brasil, países africanos), a tendência é aumentar cada vez mais as regiões desérticas do planeta Terra;
Foto: Agência EFE
-         Aumento de furacões, tufões e ciclones: o aumento da temperatura faz com que ocorra maior evaporação das águas dos oceanos, potencializando estes tipos de catástrofes climáticas;
-         Ondas de calor: regiões de temperaturas amenas tem sofrido com as ondas de calor. No verão europeu, por exemplo, tem se verificado uma intensa onda de calor, provocando até mesmo mortes de idosos e crianças.

Efeitos:

Caso o homem não diminua a emissão de gases do efeito estufa nos próximos anos, podemos enfrentar as seguintes consequências:
- Desertificação: com o aumento da temperatura global pode transformar florestas em desertos ou savanas. A Floresta Amazônica poderia ser drasticamente afetada e transformada em savana.
- Derretimento das geleiras dos pólos do planeta: este efeito já é notado e tem causado o aumento no nível das águas dos oceanos e prejudicado a vida de espécies animais que vivem nestas regiões. Este efeito também pode provocar o alagamento de diversas cidades costeiras no mundo.
Os topos de algumas montanhas, que antes eram cobertas por gelo, também estão sofrendo com o aquecimento global. Este efeito tem modificado o ciclo de vida da fauna nestas montanhas, podendo provocar a médio prazo a extinção de animais.
- Migrações em massa de pessoas: o alagamento de cidades e o aquecimento da temperatura em algumas regiões do mundo, podem provocar a migração de milhões de pessoas, provocando sérios problemas sociais nas regiões que receberão estes migrantes.
- Problemas na agricultura: o aumento da temperatura global pode provocar sérios problemas na agricultura. Diminuindo a produção de alimentos no mundo, podemos ter milhões de pessoas morrendo de fome, principalmente nas áreas mais pobres do planeta.
- Epidemias: o aumento da temperatura pode elevar a quantidade de mosquitos transmissores de doenças, principalmente em regiões tropicais e equatoriais. Doenças como a dengue e a malária podem fazer milhões de vítimas nestas áreas. Pode também haver a migração destes mosquitos para regiões que antes possuíam clima frio, disseminando ainda mais estas doenças pelo mundo.
- Desastres ambientais: o aumento da temperatura global pode aumentar a quantidade e força de furacões e tornados em várias regiões do planeta.

Furações

O furacão se forma a partir da evaporação de água para a atmosfera. Óbvio que o furacão não é uma chuvinha qualquer: é uma megatempestade, com torós que podem durar uma semana e ventos que ultrapassam os 200 km/h. No Japão e na Indonésia, tufões. E na América, a denominação mais comum é furacão. Já os tornados são outra coisa. Eles se formam no continente e são muito menores - têm entre 100 e 600 metros de diâmetro - duram alguns minutos e são bem mais destruidores: seus ventos podem ultrapassar 500 km/h.

FORMAÇÃO DO FURACÃO
Os furacões nascem no meio dos oceanos, em locais de pouco vento e águas quentes, acima de 27 °C. Nessas áreas, a evaporação é intensa: a água do mar esquenta, vira vapor e forma grandes nuvens. É o começo do fenômeno. No local em que a água evapora, a pressão do ar é mais baixa do que nos arredores. Isso faz o ar se deslocar das áreas onde a pressão é maior para o centro do furacão. Esse ar vem cheio de umidade, que evapora e faz crescer o furacão.

Editoria de Arte/Folha de S. Paulo
CRESCIMENTO DO FURACÃO
Em um ou dois dias o "bichão" já está gigantesco, com 500 km de diâmetro e mais ou menos 15 km de altura. Por toda a área do furacão, chove e venta muito. As rajadas variam entre 118 km/h e 249 km/h. Por ser um enorme fenômeno atmosférico, o furacão sofre os efeitos da rotação da Terra. Ela faz o ar das áreas de alta pressão — como o topo —girar em um sentido, enquanto o ar da base — onde a pressão é baixa — gira no sentido contrário.

AUGE DO FURACÃO
Imagem: Diário de um Educador
No meio da tempestade fica o chamado olho do furacão, com 20 km de diâmetro. Nessa área faz muito calor, não há nuvens e não chove. É por essa região que a água segue evaporando, alimentando o furacão.  No oceano, os furacões avançam em regiões de água quente. Ao atingir a terra firme — que é mais fria e seca que o mar — eles perdem força e se dissipam. Mas provocam inundações, ondas de até 15 metros e ventos fortes.

Protocolo de Kyoto

Este protocolo é um acordo internacional que visa a redução da emissão dos poluentes que aumentam o efeito estufa no planeta. Entrou em vigor em 16 fevereiro de 2005. O principal objetivo é que ocorra a diminuição da temperatura global nos próximos anos. Infelizmente os Estados Unidos, país que mais emite poluentes no mundo, não aceitou o acordo, pois afirmou que ele prejudicaria o desenvolvimento industrial do país.

Conferência de Bali 

Realizada entre os dias 3 e 14 de dezembro de 2007, na ilha de Bali (Indonésia), a Conferência da ONU sobre Mudança Climática terminou com um avanço positivo. Após 11 dias de debates e negociações. Os Estados Unidos concordaram com a posição defendida pelos países mais pobres. Foi estabelecido um cronograma de negociações e acordos para troca de informações sobre as mudanças climáticas, entre os 190 países participantes. As bases definidas substituirão o Protocolo de Kyoto, que vence em 2012.

Conferência de Copenhague - COP-15

Foto: IISD
A 15ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima foi realizada entre os dias 7 e 18 de dezembro de 2009, na cidade de Copenhague (Dinamarca). A Conferência Climática reuniu os líderes de centenas de países do mundo, com o objetivo de tomarem medidas para evitar as mudanças climáticas e o aquecimento global. De última hora, um documento, sem valor jurídico, foi elaborado visando à redução de gases do efeito estufa em até 80% até o ano de 2050. Houve também a intenção de liberação de até 100 bilhões de dólares para serem investidos em meio ambiente, até o ano de 2020. Os países também deverão fazer medições de gases do efeito estufa a cada dois anos, para a comunidade internacional.

Rio+20

A Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (CNUDS), conhecida também como Rio+20, foi uma conferência realizada entre os dias 13 e 22 de junho de 2012 na cidade brasileira do Rio de Janeiro, cujo objetivo era discutir sobre a renovação do compromisso político com o desenvolvimento sustentável.

Considerado o maior evento já realizado pela Nações Unidas, o Rio+20 contou com a participação de chefes de estados de cento e noventa nações que propuseram mudanças, sobretudo, no modo como estão sendo usados os recursos naturais do planeta. Além de questões ambientais, foram discutidos, durante a CNUDS, aspectos relacionados à questões sociais como a falta de moradia e outros. O evento ocorreu em dez locais, tendo o Riocentro como principal local de debates e discussões; entre os outros locais, figuram o Aterro do Flamengo e o Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro.

Soluções

A emissão de gases poluentes tem provocado, nas últimas décadas, o fenômeno climático conhecido como efeito estufa. Este tem gerado o aquecimento global do planeta. Preocupados com estes problemas, organismos internacionais, ONGs (Organizações Não Governamentais) e governos de diversos países já estão tomando medidas para reduzir a poluição ambiental e a emissão de gases na atmosfera. O Protocolo de Kyoto, assinado em 1997, prevê a redução de gases poluentes para os próximos anos. Porém, países tem dificultado o avanço destes acordos. Alegando que a redução da emissão de gases poluentes poderia dificultar o avanço das indústrias no país.

Em dezembro de 2007, outro evento importante aconteceu na cidade de Bali. Representantes de centenas de países começaram a definir medidas para a redução da emissão de gases poluentes. São medidas que deverão ser tomadas pelos países após 2012.

- Diminuir o uso de combustíveis fósseis (diesel, querosene e gasolina ), o uso obrigatório de catalisador em escapamentos de automóveis, motos e caminhões; instalação de sistemas de controle de emissão de gases poluentes nas indústrias.
- Ampliar a geração de energia através de fontes limpas e renováveis: hidrelétrica, eólica, solar, nuclear e maremotriz.  Uso de técnicas limpas e avançadas na agricultura para evitar a emissão de carbono.

- Implementação de programas de reflorestamento e arborização, principalmente nos grandes centros urbanos; Construção de prédios com implantação de sistemas que visem economizar energia (uso da energia solar para aquecimento da água e refrigeração).
Fonte: www.suapesquisa.com
O que achou desse artigo? O que você pode fazer para ajudar o planeta? Comente abaixo, deixe sua opinião.
Aquecimento Global, suas causas, consequências e soluções Aquecimento Global, suas causas, consequências e soluções Reviewed by Natan C. Bezerra on 1/24/2013 01:55:00 PM Rating: 5

WRB nas redes sociais