O Detran-pb diz que a frota de veículo na Paraíba já atinge mais de 902 mil

A Paraíba possui 902.201 veículos em circulação no estado e que estão registrados no Detran.  Em 2000 a frota era de 257.279, crescimento de 246% até fevereiro deste ano. O aumento foi ainda maior em relação ao número de motos. Eram 51.962 motocicletas em circulação na Paraíba no ano de 2000. Hoje, até fevereiro, foram registrados no Detran 389.438, o que representa crescimento de 638%. Um dos principais agravantes no trânsito é justamente os motociclistas, que em sua maioria não possui se quer habilitação e desconhecem as regras de circulação no trânsito, segundo Luciana Duarte, superintendente da Polícia Rodoviária Federal na Paraíba.
Em entrevista exclusiva ao Jornal A União, Luciana Duarte, informou que em 2012 pelo menos 200 pessoas morreram em decorrência de acidentes nas rodovias federais que cortam a Paraíba. Desse total mais de 90% dos acidentes foram provocados por causa humana, ou seja, por negligência, imprudência e imperícia.
Há um ano e meio assumiu a superintendência da Polícia Rodoviária Federal na Paraíba. O que foi possível fazer, ao longo desse período, para melhorar as ações da instituição em nosso estado?
Nosso foco principal foi adotar medidas preventivas para diminuirmos o número de acidentes ocorridos e uma das principais medidas foi implementar ações de educação para o trânsito, então, a partir disso nós demos uma alavancada muito grande. Firmamos parcerias com diversos órgãos estaduais, a exemplo da OAB-PB, Ministério Público Federal na Paraíba, entre outros.
Essas medidas de educação para o trânsito tem resultado em diminuição de acidentes?
Na verdade, quando nós falamos em Educação para o trânsito você tem três pilares. Primeiro a engenharia de tráfego, depois o disposto da legislação, que envolve as fiscalizações e por último a Educação para o trânsito. E Educação para o trânsito existe, em termos normativos, desde a década de 60 e até hoje ela não foi implementada como deveria. Então, desde a criação do Código de Trânsito, que é de 1988, existe a obrigatoriedade de implementar a educação para o trânsito como disciplina para o ensino fundamental, básico e médio, mas até hoje isso não foi implementado. Enquanto a gente não implementar isso, nós não vamos conseguir mudar o comportamento das pessoas no trânsito, porque determinados comportamentos como dirigir sem habilitação, não usar cintos, pegar a contramão e outras proibições, você só forma pessoas para saber que isso é importante a partir da educação.
No adulto a fiscalização se resolve momentaneamente. Mas, o que se quer não é aplicar multa porque a pessoa está sem cinto. Nós queremos que o motorista use cinto porque em caso de acidente ele sofra menos lesões. E essa consciência só vem a partir da educação para o trânsito, para isso é preciso um investimento de longo prazo. Nós queremos que as crianças, quando se tornarem condutoras elas respeitem a faixa de pedestre, elas não bebam e dirijam, não excedam a velocidade.
Então a falta de consciência no trânsito seria a principal causa de acidentes?
Isso mesmo. Mais de 90% dos acidentes são causados por causa humana. Énegligência, imprudência e imperícia. Ano passado (2012) foram registrados mais de 200 mortes somente nas rodovias da Paraíba. Então, se a gente pensar que 90% disso é em decorrência de negligência, imprudência e imperícia é muita coisa.
O que os órgãos de trânsito podem fazer para implementar mais fortemente campanhas educativas?
A campanha é interessante, mas ela atinge pouco porque as pessoas acham que acidente só acontece com o outro. A questão é educar. É desde cedo você colocar a criança na escola e ela falar sobre isso. É tratar de forma transversal. As escolas ensinam matemática, geografia, física, química, ocupação do solo urbano etc., então em todas essas disciplinas podem ser aplicados exemplos de educação para o trânsito. Na física, na área de aerodinâmica, por exemplo, pode ser demonstrado a velocidade que um corpo atinge, caso ele seja arremessado em um acidente. Assim se materializa o processo. As campanhas sensibilizam, mas não educam.
  • Polícia Rodoviária
De que maneira a PRF trabalha para promover a educação para o trânsito?
Nós temos um trabalho que se chama “Cinema Rodoviário” que consiste em fiscalizar, normalmente, caso encontre uma pessoa dirigindo de maneira irregular, nós aplicamos as multas e penalidades devidas, mas chamamos essa pessoa para assistir uns vídeos e a uma palestra de cinco a dez minutos sobre o comportamento no trânsito. Nessa palestra nós mostramos os perigos ocasionados pela imprudência. Nós temos uma experiência muito interessante que ocorreu em Campina Grande, de uma mãe que assistiu a um vídeo que mostra o quanto os pais tem cuidado com a alimentação do filho, que relatam que o seu filho é o maior bem que eles têm, mas durante um passeio de carro levam a criança no banco da frente, sem o uso do cinto de segurança, de repente, em um acidente, a criança é arremessada bruscamente pelo vidro do carro e morre. Então, essa mãe que assistiu a este vídeo disse pra gente que nunca mais iria permitir que o seu filho andasse sem o cinto de segurança, ainda que ele suplicasse. Então, esse tipo ação sensibiliza as pessoas. Mas, as pessoas não tem consciência de que os perigos no trânsito ocorrem quando menos se espera.
Embora a Lei Seca esteja mais rigorosa, o DETRAN da Paraíba flagrou 398 motoristas embriagados em apenas um dia de fiscalização em duas principais avenidas de João Pessoa. Então, as pessoas não estão preocupadas em preservar a própria vida, nem tão pouco arcar com prejuízos ocasionados por multas. O que fazer para mudar isso?
BR 230 - Viaduto do Cristo - J. Pessoa - Foto: Walter Rafael
Nós temos vários fatores que influenciam nisso. Há uma confusão. A pessoa acha que não é obrigatório soprar o bafômetro porque acredita que não pode produzir provas contra si mesmo. Entretanto dirigir é uma concessão do estado, que não interfere na sua liberdade de querer dirigir ou não, mas se o estado lhe concedeu o direito de dirigir, a partir de uma série de critérios que você precisou está de acordo e apresentar condições para tal, então, como é uma concessão do estado, você tem obrigação de soprar o bafômetro. Só que existe todo um em imbróglio jurídico e na prática todo mundo bebe e dirige. E, nós não estamos falando de pessoas desinformadas, estamos falando de policiais, juízes, promotores, etc.
O efetivo da PRF da Paraíba é suficiente para a demanda de trabalho, visto que são 1.300 km de rodovia federal que corta o estado?
Hoje nós temos apenas 260 policiais, nós precisaríamos hoje no mínimo mais 100 policiais. Mas, embora o número do efetivo seja pequeno, o trabalho é muito expressivo porque nós trabalhamos de forma estratégica, já conhecendo as demandas. Nós temos algumas localidades que nós ampliamos as fiscalizações por apresentarem maiores demandas, a exemplo do Jacaré, em Cabedelo. Em determinados dias nós chegávamos a fazer 50 testes de bafômetro, nós pegávamos mais da metade com a presença de álcool. Hoje, com esse mesmo número de teste, nós pegamos um ou dois motoristas dirigindo alcoolizado. No Fest Verão do ano passado chegamos a autuar cerca de 70% dos motoristas, este ano não chegou a 10 pessoas. Os estacionamentos estavam pela metade de ocupação. Uma demonstração que as pessoas procuraram ir de taxi, eleger o motorista da vez. Então, nós acreditamos que isso é consequência das fiscalizações.
  • Lei Seca 
Como estão as fiscalizações da Lei Seca nas BR’s da Paraíba?
Nós aumentamos muito. A prova disso são os números de autuações. Em 2011 foram autuados 598 motoristas. Em 2012 foram 1.262, ou seja, 111% a mais que o ano anterior. Em 2013, até meados de março, já conseguimos autuar 329 motoristas que dirigiam sob efeito do álcool. As prisões somam 48 pessoas em 2011 e ano passado foram 350 motoristas presos por dirigir embriagado. Então, nós apertamos o cerco e a tendência é apertar ainda mais.
  • Denit
O Dinit fechou o contorno da BR-230, no quilômetro 15. Porque essa intervenção? Isso não vai dificultar o acesso nas vias locais?
Nós já havíamos solicitado o fechamento desse retorno e outras intervenções, a exemplo do contorno em frente ao Hospital de Trauma. A ideia é facilitar o fluxo de veículos. Uma análise empírica, consideramos que haverá uma certa confusão inicialmente porque o condutor precisa se habituar com as mudanças, mas também vai ajudar na diminuição do número de acidentes bem como abrir possibilidade para utilizar outras vias e assim, melhorar a fluidez do trânsito no local. A faixa de circulação nesses contornos é muito curto e o trânsito numa rodovia federal que corta a cidade é muito complexo. Eu tenho a impressão que em um prazo não muito longo essa intervenção será muito benéfica, inclusive na redução do número de acidentes.
O número de acidentes envolvendo motociclistas é muito elevado. Porque esses índices evoluem tanto? Os motoristas de automóveis, caminhões ou carros maiores não respeitam os motociclistas ou o inverso?
Houve, recentemente, uma publicidade enganosa nos veículos de comunicação, dizendo que as motonetas não precisavam de emplacamento, nem o uso de capacetes. Porém, qualquer veículo, seja ele proporção humana ou animal ele precisa ser identificado. No caso de uma carroça por tração animal não precisa ser licenciado, mas é necessário identificar. Então, as motonetas em si se tornam um problema muito sério. Qualquer pessoa hoje, por menos que ganhem, conseguem comprar uma motoneta, as conhecidas cinquentinhas e essas pessoas não têm o mínimo de conhecimento de legislação de trânsito, de regras de circulação. É tanto que nós vemos constantemente esses motociclistas atravessando nos canteiros, andando na contramão, transportando criança, sem capacetes, como se aquele veículo fosse um brinquedo. Certo dia presenciei um rapaz em uma motoneta em alta velocidade, a 80 km, ele tinha uma perna mecânica e trafegava na via de trânsito normal, onde não é permitido. Pensei: esse rapaz quer se matar!
  • Como resolver o problema?
Antes de tudo é necessário ressaltar que os motociclistas precisam de autorização para circulação e as motonetas precisam ser identificadas, mas a atribuição é do município e este não tem estrutura para isso. Então, a gente precisa que legalmente essa atribuição passe ao estado e que o Detran faça. Hoje se eu pego uma pessoa dessa não habilitada, sem capacete eu não posso fazer nada. Se ela tiver transitando de uma forma perigosa ela ainda cai em uma contravenção. Neste caso a PRF faz a apreensão da motocicleta, mas se chegar alguém e apresentar a documentação da motocicleta e comprovar que é o proprietário, nossa obrigação é liberar, mesmo que o condutor não possua habilitação ou não esteja fazendo uso do capacete. Isso porque não temos como aplicar multa em um veículo que não tem placa. Ou seja, a motoneta vai ficar retida até que se prove a procedência, somente.
Mas, se os municípios não têm estrutura para regulamentar esse tipo de veículo porque o estado já não assumiu a competência através do Detran?
Já existe o projeto que prevê essa transferência de atribuição do município para o estado, porém ainda não foi aprovado. Mas, em minha opinião, com a reforma do código de trânsito, que está em fase final de elaboração, esse dispositivo legal deverá ser incluído.
Em relação ao trabalho da PRF, em parceria com o Ministério Público do Trabalho, para combater a exploração sexual infantil, tem sido efetivo? Alguma previsão de ser deflagrada outra operação, a exemplo da Mitang2, realizada no início do ano passado?
Todos os anos nós fazemos um levantamento ao longo das rodovias e em seguida apresentamos um mapeamento com a detecção dos pontos mais vulneráveis. Nós acompanhamos diuturnamente isso e sempre encaminhamos qualquer indício de exploração sexual infantil para o Ministério Público. Tanto a gente trabalha no sentido de detectar esse problemas, como também recebemos denúncias a apuramos as evidências. Em caso de flagrante fazemos o encaminhamento a quem direito. Devido esse trabalho rotineiro conseguimos diminuir bastante esse tipo de crime ao longo das rodovias, então, o modos operante pode ter mudado porque não vemos mais adolescentes ou crianças disponíveis nas rodovias, mas isso não quer dizer o problema acabou, mas pode ter apenas mudado de endereço. Então, a nossa parceria com os órgãos competentes porque é um mote que nos interessa muito. Precisamos proteger nossas crianças. Há um trabalho permanente e as deflagrações são realizadas em um período, geralmente no mês de maio e outubro.
Se a PRF não tem efetivo suficiente para a demanda dos trabalhos, como acontecem as fiscalizações ao longo dos 1.300 km de rodovias federais que cortam o estado, principalmente para combater a prática de racha que eventualmente ocorre inclusive com carros de luxo?
Existe um projeto nacional que pretende instalar câmeras de monitoramento em todas as rodovias federais do Brasil. No Rio Grande do Sul já existe. Na Paraíba ainda não há previsão, mas também será contemplada. Quando isso ocorrer toda a extensão das BR’sserão monitoradas em tempo real, ou seja, será um grande “Big Brother”, e evidentemente conseguiremos detectar rapidamente qualquer tipo de infração que esteja ocorrendo nas rodovias. Hoje nós trabalhamos com o cartão programa que nos indica onde tem acidente ou maiores transtornos que necessite mais urgentemente nossa presença. Então, hoje nós trabalhamos assim. Aparentemente, os rachas não estão mais acontecendo porque não chegou mais nenhum indício pra gente e normalmente as pessoas denunciam rapidamente quando presenciam isso. Por exemplo, através do portal da ouvidoria recebemos diariamente denúncias de transportes alternativos, de ônibus com excesso de passageiros e isso tem sido muito importante pra gente porque facilmente chegamos nessas pessoas.
Quais são os pontos mais críticos das BR’s que cortam o nosso estado e que a PRF se faz mais presente?
Dentro dos 100 pontos mais problemáticos do país, nós temos quatro, todos aqui na região metropolitana de João Pessoa. Em primeiro lugar está o retorno do Geisel, nos quilômetros 25 e 26 da BR-230, em seguida no Costa e Silva (Gauchinha) -KM 89 e 90 da BR-101, depois no Aeroporto - KM 33 da BR 230 e o retorno Manaíra - Km 15 da BR 230. Esses pontos são responsáveis pela maioria dos acidentes. Um dos problemas é a falta de engenharia porque todos os projetos são direcionados para carro e o pedestre não. Quando era para ser o contrário.
As rodovias do interior se tornam mais perigosas devido a animais soltos na pista que ocasionam em graves acidentes. A PRF possui algum mecanismo para responsabilizar os proprietários desses animais ou adota outra medida preventiva?
Estamos com alguns procedimentos junto ao Ministério Público e algumas prefeituras que tem sido muito positivo pra gente. Através de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) foi estabelecido essa parceria para juntos retirar esses animais das rodovias, inclusive aqueles que estejam amarrados na faixa de domínio. Então, nesse TAC, quando identificamos o proprietário imediatamente o conduzimos até a Polícia Civil, onde será aplicado as multas devidas, bem como responder a processo de contravenção penal.  Na verdade, essas pessoas são muito simples e normalmente quando um é levado até a delegacia, há um efeito pedagógico muito forte.
A semana santa está bem próxima e é um feriadão prolongado, quando os fluxo de automóveis nas rodovias aumenta consideravelmente. Já existe um esquema montado da PRF para intensificar as fiscalizações durante esse período?
Existe sim. Os dias mais preocupantes é a sexta-feira e o sábado no período da manhã. Por isso faremos a mesma mobilização que normalmente acontece nos outros feriados. Vamos aumentar o efetivo nos postos de fiscalizações, usar radares móveis para detectar excesso de velocidade, de ultrapassagem indevida e outras infrações. Com base em dados e estatísticas vamos intensificar nossos trabalhos em locais e horários específico onde têm maiores gravidades.
Fonte:Jornal  A União
Jornalista:Jailma Simone
Foto Capa: Paraíba.com.br


 
O Detran-pb diz que a frota de veículo na Paraíba já atinge mais de 902 mil O Detran-pb diz que a frota de veículo na Paraíba já atinge mais de 902  mil Reviewed by Natan C. Bezerra on 3/21/2013 04:05:00 PM Rating: 5

WRB nas redes sociais