Cia Abner apresenta o maior espetáculo interativo de JP: Casa do Julgamento



Após o sucesso com as montagens “Apóstolos”, “Seven Days”, “O grande Cowboy” e “O Deus Pródigo”, a Cia Abner promove mais uma vez o maior Espetáculo de Teatro interativo da Paraíba, Casa do Julgamento, que já fora visto por mais de 49 mil pessoas e desde sua primeira edição em 2006, vem abordando temas de relevância social buscando influenciar positivamente os que prestigiam o evento.
Como você agiria hoje se soubesse qual o seu destino após a morte? É com essa intrigante pergunta que a Cia Paraibana de Teatro Abner, que completa 12 anos de trajetória em 2013, traz pela oitava vez à capital Paraibana a CASA DO JULGAMENTO®. O espetáculo surgiu nos Estados Unidos na década de 80 e já atraiu quase 06 (seis) milhões de pessoas pelo mundo. Além dos Estados Unidos e Brasil, nações como Canadá, Costa Rica, El Salvador, Ucrânia, Tailândia, Guatemala, entre outros, já receberam a Casa do Julgamento em mais de 30 anos de história.
O projeto Casa do Julgamento conta com pouco mais de 400 (quatrocentos) profissionais, sendo cerca de 80 atores e outros tantos divididos entre produção e logística para eficácia e funcionalidade do evento, todos envolvidos como agentes de transformação, trabalhando de forma voluntária.

Edição 2013: Maria da Penha

A Casa do Julgamento em 2013 acontece de 17 a 27 de julho (exceto domingo dia 21) no Ginásio de Esportes “O Ronaldão”,  João Pessoa - Paraíba, com horários diferenciados: das 18hs às 23hs (segunda a sexta) e 16hs às 23hs (aos sábados), com intervalo do dia 21 de julho. O ingresso custa R$ 10,00 + um quilo de alimento não perecível. Ano passado, por exemplo, as 07 (sete) cenas do espetáculo mostraram a um público de quase 9 mil pessoas – em 10 dias de atuação – o desastre social causado pelo mal uso de álcool e direção com o tema “Colisão”.
Nesse ano, o espetáculo teatral promete novidades quanto à trama que será baseada na Lei N. 11.340/2006, denominada “Lei Maria da Penha”. Estatísticas revelam que a cada quatro minutos uma mulher é agredida no Brasil. Estas agressões partem, via de regra, de homens ligados por laços de afetividade, quais sejam: namorado, marido ou até mesmo o próprio pai.
“Eu prometo ser fiel até a morte, cuidar de você na alegria e na tristeza, na saúde e na doença”. As juras de amor de Teotônio feitas no altar à Maria não passaram de palavras jogadas ao vento. Logo a realidade passaria a ser outra. Maria que sempre teve o sonho de casar e constituir família, como também acontecera com sua mãe, Penha, conhece Teotônio, homem com quem se casa e tem um filho: Neno Neto. Teotônio se revela grosseiro, indiferente, violento e opressor. A situação fica ainda mais insustentável no momento que Maria descobre que o marido tem relacionamentos fora do casamento. Não dá outra: discussão, briga, agressão. Uma enorme tragédia estaria por vir, presenciada pelo filho do casal  Neno Neto e Penha, avó do menino. O dilema está lançado! Violência física, psicológica, sexual, patrimonial e moral; uma combinação que também mata..
Essa historia poderia ter outro fim? Seria a falta de diálogo a principal causa dessa terrível história? Essa tragédia poderia ou não ter sido evitada? A denuncia é a melhor opção em casos assim? Há esperança mesmo depois que a morte chega? Mas o que realmente acontece depois da morte? As respostas pra essas perguntas estão no roteiro desse ano, sob o tema “Maria da Penha”.

Como funciona a Casa do Julgamento

Ao invés do público ficar imóvel e os atores entrarem e saírem de cena, trocar cenários, etc. é o público quem se movimenta indo de sala em sala (num total de sete). As pessoas que vêm assistir a apresentação são recebidas por recepcionistas e solicitadas a preencherem uma ficha de inscrição. A partir dai é formado um pequeno grupo de pessoas que assiste ao espetáculo dentro do cenário.
O realismo e a proximidade é o maior trunfo do espetáculo. Esse grupo é acompanhado por um guia: uma espécie de narrador que introduz e arremata a história, antes e depois da cena. A cada 10 minutos um novo grupo começa sua viagem pelas diversas cenas. A proposta é promover a reflexão sobre práticas e valores da vida, da família, morais e espirituais. Diante de uma história impactante e realista, o público é desafiado a tomar decisões a cada momento, dessa forma o publico sinta e viva intensamente o dilema de cada personagem

Mais sobre a Casa do Julgamento...

CASA DO JULGAMENTO®, marca registrada de New Creation Evangelism, Inco. Registrada nos EUA como uma organização sem fins lucrativos e interdenominacional (cód 501 C 3), foi fundada em 1988 por Tom Hudgins. Desde então, Casa do Julgamento® já foi apresentada em 7 países, aproximadamente 3.900.000 pessoas (só no Brasil já foram mais de 200.000) já assistiram a uma apresentação, em 16 estados. Todo esse processo leva em média de 45 minutos à uma hora para ser completado, como um novo grupo inicia sua viagem a cada 10 ou 15 minutos, uma média de aproximadamente 100 pessoas por hora pode assistir a uma apresentação de Casa do Julgamento.
Cia Abner apresenta o maior espetáculo interativo de JP: Casa do Julgamento Cia Abner apresenta o maior espetáculo interativo de JP: Casa do Julgamento Reviewed by Natan C. Bezerra on 7/19/2013 10:30:00 PM Rating: 5

WRB nas redes sociais