Pesquisadores descobrem quinze novas espécies de aves na Amazônia

De uma tacada só, 15 novas espécies de aves foram descritas na Amazônia brasileira em uma edição especial do Handbook of the Birds of the World, uma enciclopédia com todas as aves conhecidas do mundo. Lançada no fim de junho, a publicação traz as descobertas que quatro grupos de ornitólogos do Brasil e do exterior fizeram nos últimos anos.
Desde 1871 não eram descritas tantas espécies de aves brasileiras de uma vez só, em uma única obra. Não é à toa. Apesar de na Amazônia não ser raro de vez em quando descobrir um bicho novo, as aves são o grupo animal mais bem conhecido em todo mundo. Então não é de se esperar tantas novidades.
Foi justamente para causar esse choque que os pesquisadores resolveram juntar seus esforços e fazer uma publicação conjunta. "A verdade é que, ao publicar uma por uma, a informação passa por baixo do radar. E ninguém percebe o grande quadro que é: estamos em um momento muito especial na Amazônia, uma fase explosiva de descobertas", afirma Mário Conh-Haft, do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia. "Nossa ideia foi passar o recado de que a Amazônia ainda tem muita coisa nova", diz. Segundo ele, mais de uma dezena de novas aves deve ser descrita nos próximos anos.

Mais Descobertas

A maior parte dos achados ocorreu na porção entre o sul do Pará, o norte de Mato Grosso e o sudeste do Amazonas, região que inclui o chamado arco do desmatamento, o que coloca os animais em ameaça. Chama a atenção o caso de cinco espécies que foram encontradas em um local nunca antes estudado, no sul do Amazonas, entre os Rios Aripuaná e Roosevelt. O local fica próximo da fronteira com Rondônia, por onde a fronteira agrícola avança.
De acordo com o pesquisador Luís Fabio Silveira, do Museu de Zoologia da USP, são endêmicas dali - ou seja, não ocorrem em nenhum outro local. Os pesquisadores afirmam que essa quantidade identificada é a maior da ornitologia brasileira dos últimos 140 anos. Os cientistas reuniram dados de trabalhos feitos anteriormente, além de análises genéticas e comparações morfológicas, para chegar à conclusão de que se tratavam de novas espécies que vivem no bioma amazônico, um dos que possui a maior biodiversidade do mundo.
Das 15 novas aves, 11 só são encontradas no Brasil. As demais podem ser vistas também no Peru e na Bolívia. Porém, a descoberta vem acompanhada de um alerta: ao menos quatro espécies já são consideradas vulneráveis na natureza: o arapaçu-barrado-do-xingu, o arapaçu-do-tapajós, o poiaeiro-de-chicomendes e a cancao-da-campina.
Outra coincidência alarmante é que os membros recém-descritos da fauna brasileira vivem em uma região denominada “Arco do Desmatamento”, trecho que compreende uma faixa entre a Bolívia e o Brasil, que passando por Mato Grosso, Pará e Rondônia, e é conhecida pelas altas taxas de destruição da floresta e queimadas devido ao avanço dos centros urbanos e ao aumento das atividades agropecuárias.
“Várias destas espécies são bichos com hábitos especializados. Qualquer alteração nesses pontos específicos pode representar sua eliminação. Queremos chamar a atenção para esse volume de descobertas para que se possa tomar uma decisão mais sábia e sustentável para o uso deste bioma”, afirma.
Uma das espécies consideradas vulneráveis é a gralha cancão-da-campina, que vive em uma área de campina amazônica, entre os rios Madeira e Purus, ao sul de Manaus (AM).

Handbook of the Birds of the World

O Manual dos pássaros do mundo está uma série multi-volume de produzido pela Casa Edicions espanhóis editoriais linces. É o primeiro manual para cobrir cada as espécies vivas conhecidos de pássaro. Da série é editada por Josep del Hoyo Andrew Elliott, Jordi Sargatal David e A Christie.
As 16 os volumes foram publicados. Para a primeira vez que uma classe de animais terão todas as espécies e tratou-se ilustrada em detalhe num obra. Esta não foi feita antes de qualquer outro grupo no reino animal.
Material de cada volume é agrupados primeiro pela família um artigo introdutória sobre cada família, esta é seguido por contas de espécies individuais (taxonomia, subespécie e distribuição, notas descritivas, habitat, alimentação, reprodução e alimentação, movimentos, estado de conservação e, bibliografia ). Em complemento, todos volume, excepto o primeiro e o segundo contém uma descrição de um tema ornitológica particular. De mais de 200 especialistas de renome e ilustradores 35 (inclusive Toni Llobet Hilário Burn, Chris Rose e Douglas H. Pratt) em mais de 40 países contribuíram para o projeto até o momento, assim como 834 fotógrafos de em todo o mundo.
Desde primeiro volume apareceu em 1992, série recebeu vários prêmios internacionais. O primeiro volume, foi escolhida como livro Pássaro do Ano pelo revistas Birdwatch e Aves Britânicas, e a quinta volume foi reconhecida como Outstanding Academic Título pela Revista Escolha, a American Association Biblioteca revista. O sétimo volume, bem como está sendo chamado Livro Ave do Ano de Birdwatch e Aves Britânicas, também recebeu a distinção de Melhor Livro de Referência pássaro nos 2002 Book Awards WorldTwitch esta mesma distinção também recebeu a Volume oito, um ano depois em 2003.
Volumes individuais são amplas e 32 cm por 25 cm, e peso entre 4-4,6 kg, que foi comentado em uma resenha que "empilhadeira caminhão livro" Seria um título melhor.
Como complemento do Manual das Aves do Mundo e com o objectivo final da disseminação de conhecimento sobre avifauna o mundo, em 2002 Edicions Lince iniciou a coleção Pássaro na Internet (IBC). É um livre-acesso,, mas não livre-licenciado, biblioteca online audiovisual [três] de aves mundiais, com o objetivo de postagem de vídeos, fotos e gravação de sons mostrando uma variedade de aspectos biológicos (eg subespécie, plumagens, alimentação reprodução, etc) para todas as espécies. É um não-lucro esforçar alimentado por material do mais de cem participantes de todo o mundo. Outro complemento é o banco de dados online HBW vivo que foi lançado no começo julho de 2013 e incluem as contas da espécie 'de todos os 17 volumes HBW publicados.
Fontes: G1, Wikipedia, IG.
Foto: Em cima, da esquerda para a direita: Bico-chato-do-sucunduri. Cancão-da-campina e Chorozinho-do-aripuanã; na parte de baixo: Poiaeiro-de-chicomendes; Arapaçu-de-bico-torto e Rapazinho-estriado-do-oeste (Foto: Montagem/Vítor Q Piacentini/Fabio Schunck/Mario Cohn-Haft)
Pesquisadores descobrem quinze novas espécies de aves na Amazônia Pesquisadores descobrem quinze novas espécies de aves na Amazônia Reviewed by Natan C. Bezerra on 7/17/2013 09:37:00 PM Rating: 5

WRB nas redes sociais