PM cumpre reintegração de posse da reitoria da USP de São Paulo

A Polícia Militar cumpriu na madrugada desta terça-feira (12) a reintegração de posse da reitoria da USP (Universidade de São Paulo), no campus da zona oeste da capital. Estudantes ocupavam o local desde o dia 1º de outubro, em protesto por eleições diretas para reitor da instituição. Na última quarta-feira (6) pelo TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo), que concedeu à instituição a reintegração de posse do predio.
Um grupo de cerca de 50 policiais militares da Tropa de Choque entrou no local por volta das 5h e, segundo a corporação, encontrou a reitoria vazia, com sinais de depredação. Durante a ação, o prédio foi completamente cercado pela Tropa de Choque, para impedir a entrada de estudantes. Por volta das 7h15, a Tropa de Choque já havia deixado os arredores do prédio da reitoria e funcionários da USP começavam a fazer a vistoria do local para apurar danos.

Ampliar

Alunos e funcionários protestam por eleições diretas na USP139 fotos 129 / 139
12 nov.2013 - Polícia cumpre reintegração de posse na manhã desta terça-feira (12), no prédio da reitoria da USP, na zona oeste de São Paulo, SP Marcos Bezerra/Futura Press/Estadão Conteúdo
Pedro Serrano, um dos diretores do DCE, afirmou ao UOL que cerca de cem estudantes faziam uma vigília do lado de fora do prédio, para evitar que algum aluno fosse detido. Ao ver a aproximação da polícia, no entanto, os estudantes saíram pacificamente, sem oferecer resistência.
O estudante também comentou a informação dada pela PM sobre a depredação no interior do prédio. Segundo Serrano, "por enquanto, não é possível falar; é preciso fazer uma averiguação do local por ambas as partes".
Embora não tenha havido resistência por parte dos estudantes nem confronto com policiais, há informação de que dois alunos foram detidos. Segundo o telejornal "Bom Dia São Paulo", da TV Globo, informou que um estudante foi detido após ser flagrado filmando a ação e liberado em seguida. A PM não confirmou as detenções.
Na última quarta-feira (6) pelo TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo), que concedeu à instituição a reintegração de posse e autorizou o uso de força policial para a retomada do prédio.

Queda de braço

Na ocasião, o DCE (Diretório Central dos Estudantes) da USP classificou a possibilidade de retomada da reitoria como "inadmissível".
Em assembleia realizada no prédio da História-Geografia, também na quarta-feira (6), os estudantes votaram pela manutenção da greve e da ocupação da reitoria. Após horas de discussão, 747 alunos deliberaram pela paralisação e 562 optaram pela retomada das aulas, suspensas desde o dia 1º de outubro.
Depois de o Tribunal de Justiça de São Paulo entregar aos estudantes a notificação da decisão judicial favorável ao procedimento de reintegração, uma comissão formada pela direção da USP se encontrou com os alunos e apresentou uma proposta para a saída do prédio.
O termo de acordo foi submetido a votação, a maioria foi contra a assinatura do documento, o fim da greve e a desocupação voluntária da reitoria.

Histórico da greve

Os alunos da USP entraram em greve no dia 1° de outubro e ocuparam a reitoria em protesto por democracia nas eleições da universidade. Os estudantes querem que o reitor seja escolhido em um processo de eleição direta em que toda a comunidade universitária possa votar.
As próximas eleições da universidade acontecem no dia 19 de novembro e não terão voto direto. Quatro chapas concorrem à gestão da reitoria - três delas encabeçadas por professores que integram a administração de João Grandino Rodas, o atual reitor, que mantém discrição sobre o candidato preferido.

Opinião

" As greves nas universidades em grandes metropolis como o Rio de Janeiro de Janeiro e São Paulo, que não é novidade, principalmente da invasão na Reitoria da USP, por parte dos alunos e professores grevistas desde do dia 1º de outubro e precisou 31 dias para a Justiça de São Paulo decidiu no dia 06 deste mês conceder a reintegração de posse, que tão chegou a ordem judicial o Comando Geral da PM de SP, fez cumprir a reintegração de posse da reitoria, por intermédio da tropa 50 militares do Choque da PM/SP, que sem confronto e sem estudantes só bastou preservar o local por duas horas, melhor assim para todos, afinal deu tempo de sobra para mostrar o recado." 

Acrescento "Estão de parabéns, sejam os alunos por terem a coragem de reivindicar, embora sou contra a depredação seja de qual for a instituição ou patrimônio, como agiu bem a justiça e a PM em mais uma gerencia de crise, com apenas dois presos."   A ação da PM foi feita de forma pacífica e, conforme havia antecipado o Diretório Central dos Estudantes (DCE), não houve resistência dos alunos à chegada da polícia. Apesar de não terem sido registrados confrontos,somente duas pessoas  que permaneceram no local foram detidos."

Fonte: Uol Noticias
Foto: noticias.terra.com.br
PM cumpre reintegração de posse da reitoria da USP de São Paulo  PM cumpre reintegração de posse da reitoria da USP de São Paulo Reviewed by Walter Rafael Bezerra on 11/12/2013 11:34:00 AM Rating: 5

WRB nas redes sociais