Veja como detectar os sintomas de infarto além de dor no peito

As  complicações das doenças cardiovasculares que são líderes em morte no mundo, sendo inclusive responsáveis por quase 30% das mortes no Brasil. Entre elas, o Infarto Agudo do Miocárdio (IAM) é a causa principal. De acordo com o Data sus, agência de controle de dados do governo, foram registrados 2028 óbitos por doenças cardiovasculares no estado de São Paulo apenas no mês de agosto de 2013. A mortalidade hospitalar por infarto agudo na internação é alta, e maior quanto mais demorado o tempo entre o início dos sintomas e o atendimento final. Os fatores de risco para o infarto são obesidade, hipertensão, colesterol alto, estresse, diabetes ou infartos anteriores. Homens na meia idade e mulheres após a menopausa são os mais afetados pelo problema.

"O infarto acontece quando parte do músculo cardíaco morreu por falta de oxigênio. A nutrição do músculo é feita pelas artérias coronárias, que levam sangue e nutrientes até o coração. Se uma artéria dessas "entupir" - que ocorre quando uma placa de gordura perto da parede interna do vaso rompe - o fluxo de sangue é interrompido e aquela área entra em sofrimento (causando dor) e se esse fluxo não for reestabelecido a tempo, o tecido morre." Essas afirmações é do Dr. Bruno Valdigem, médico cardiologista cujo CRM de nº 118535 / SP, especialista que já tratou e orientou cerca de 40 mil pessoas.

Identificando o infarto

A dor do o Infarto Agudo do Miocárdio (IAM) é uma sensação mal definida, surda, que pode se alojar em qualquer local entre o lábio inferior e a cicatriz umbilical. Ainda que a maioria das pessoas sinta dor no meio do peito, em aperto, espalhando para o braço direito, vemos com muita frequência apresentações menos características. Já vi pessoas com dor no queixo, dor nas costas. As características do infarto em mulheres são muito menos típicas, com queixas de queimação ou agulhadas no peito ou ainda falta de ar sem dor. Qualquer dor nessas regiões que se mantêm por mais de 20 minutos deve ser investigada e considerada doença grave, especialmente se associada aos seguintes sintomas: Vômitos, Suor frio, Fraqueza Intensa, Palpitações, Falta de ar

Na presença dessas sensações, é de extrema importância procurar ajuda de preferencia e de forma sequencialmente varias pessoas acionarem o SAMU  no pronto socorro mais próximo em no máximo uma hora. Conforme o tempo passa a dor diminui, mas o dano torna-se mais extenso e irreversível. Após 12 horas de dor, o músculo em sofrimento já morreu quase por completo.

Em municípios com disponibilidade de atendimento domiciliar rápido, como o excelente SAMU de São Paulo, vale a pena acioná-lo. Na ausência de uma ambulância, busque uma acompanhante que possa dirigir ou acompanhar até o medico (sempre em um hospital de emergência, para não transformar um consultório medico em uma UTI). Evite dirigir com suspeita de infarto, pois arritmias e desmaios são frequentes no inicio do quadro, colocando em risco você e os outros. Carregue consigo seus exames mais recentes, se estiverem acessíveis e não forem atrasar a sua viagem. Fique tranquilo e explique tudo ao seu acompanhante e médico, em especial a presença de alergias e doenças prévias.

O que é IAM?

Segundo o ABC da Saúde, infarto do miocárdio se dá quando o suprimento de sangue a uma parte do músculo cardíaco é reduzido ou cortado totalmente. Isso acontece quando uma artéria coronária está contraída ou obstruída, parcial ou totalmente. Com a supressão total ou parcial da oferta de sangue ao músculo cardíaco, ele sofre uma injúria irreversível e, parando de funcionar, o que pode levar à morte súbita, morte tardia ou insuficiência cardíaca com conseqüências desde severas limitações da atividade física até a completa recuperação. O infarto do miocárdio é a causa mais freqüente de morte nos Estados Unidos. Mas ele pode acontecer em qualquer parte do mundo, muito embora pode afetar até em pessoas que têm as artérias coronárias normais. Isso acontece quando as coronárias estão com um espasmo, contraindo-se violentamente e também produzindo um déficit parcial ou total de oferecimento de sangue ao músculo cardíaco irrigado pelo vaso contraído.

Angina no Peito

Segundo o ABC Médico, angina é de peito ou angina pectoris ou angor pectoris não é uma doença, mas um conjunto de sintomas (uma síndrome) que ocorre devido ao baixo suprimento de oxigênio ao músculo cardíaco em razão de obstruções ou espasmos das artérias coronarianas. Essa insuficiência quase sempre é transitória e se verifica naquelas condições em que o coração exige um desgaste maior de oxigênio como esforços físicos ou excitações emocionais intensas e geralmente cede em poucos minutos, sem deixar sequelas. Quase sempre é indicativa de uma doença coronariana. Um de seus principais componentes é uma dor no peito e o termo “angor pectoris” significa algo como "estrangulamento do peito", que é a forma característica como essa dor é sentida.

As causas da angina de peito ocorre quando as artérias coronárias ficam demasiado estreitas para fornecerem sangue suficiente ao coração. A sua principal causa é a aterosclerose das artérias cardíacas. Outras causas menos comuns são, por exemplo, a compressão das artérias por algo próximo às mesmas, inflamações ou infecções das artérias e doenças nas válvulas cardíacas. São mais comuns nos fumantes, os obesos, os sedentários e as pessoas com colesterol ou pressão arterial alta têm mais probabilidade de ter angina que as demais pessoas.


Os sintomas principais da angina é a dor no peito. Na maioria das pessoas ela é referida como um desconforto no peito, habitualmente descrito como pressão, peso, aperto, ardor ou sensação de choque, localizado principalmente no centro do peito, nas costas ou no pescoço, no queixo ou nos ombros, com frequentes irradiações para os braços (esquerdo principalmente).

Em geral, é exacerbada pelo excesso de estresse emocional, pelo esforço físico, pela digestão depois de uma refeição farta e por temperaturas frias. Essa dor dura de um a cinco minutos e pode ser acompanhada por suor e náuseas em alguns casos e é aliviada pelo repouso ou por medicação específica. Deve-se procurar um cardiologista para fazer o diagnóstico da angina desde das primeiras suspeitas podem ser levantadas pelo exame clínico que detecte sintomas típicos.

Nas anginas em que não haja dores no peito e em que não tenham ocorrido problemas cardíacos anteriores, o eletrocardiograma é tipicamente normal, mas modificações dele podem ser observadas durante os episódios de dor.

Para se detectar eventuais deficiências circulatórias, usa-se fazer um teste ergométrico tomando-se o eletrocardiograma enquanto o paciente corre em uma esteira. Em casos específicos, é necessária a realização de uma angiografia coronariana a qual sugerirá o tratamento a ser seguido, inclusive em casos cirúrgicos.

Como Acionar o Socorro

Equipes do SAMU de Prontidão_Foto: Walter Rafael
A primeira coisa solicitar as pessoas responsáveis maior de 16 anos se possível do estado e acionar o SAMU de nº 192, a nível nacional vai aparecer o prefixo da cidade que registrou o celular, caso seja um turista dizer a cidade e estado que ocorre o acidente. E quanto a várias pessoas ligando ao mesmo tempo caracteriza afirmação e a necessidade do socorro. Se tiver no local pessoas do SAMU, médico, Técnico em Enfermagem, enfermeira, Resgate do Bombeiros, ou pessoas da área de saúde habilitadas em primeiros socorros, que está de imediato a fazer o socorro.  Outros paliativos sentar ou deitar a vitima confortar ou animar que o socorro está a caminho, afastar pessoas que provoquem pane, pois iria agravar mais o problema.  No tocante a cidades pequenas, distritos ou vilarejos que não tem ambulância, SAMU nem Bombeiros leve a um hospital mais próximo para primeiros socorros e depois com orientação médica há um Hospital com especialidade no problema.



FonteMinha Vida e ABC da SaúdeFotoWalter Rafael
Veja como detectar os sintomas de infarto além de dor no peito Veja como detectar os sintomas de infarto  além de dor no peito Reviewed by Walter Rafael on 9/07/2015 12:24:00 PM Rating: 5

WRB nas redes sociais