Testes para chikungunya e dengue passam a ter cobertura obrigatória no Brasil

Desde sábado (2), operadoras de planos de saúde em todo o país serão obrigadas a oferecer cobertura para o teste rápido de dengue e a sorologia para febre chikungunya. Além dos dois exames laboratoriais, outros procedimentos foram adicionados ao rol pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). A entidade destacou que o diagnóstico do vírus Zika, recém-chegado ao Brasil e também transmitido pelo mosquito Aedes aegypti, pode ser presumido pela exclusão da dengue e da febre chikungunya e pelo acompanhamento dos sintomas clínicos da doença.

"A ANS está alinhada ao Ministério da Saúde nas ações para prevenção e combate ao Aedes aegypti. No nosso site, a população pode obter maiores informações sobre a prevenção dessas doenças", informou a gerente-geral de Regulação Assistencial da ANS, Raquel Lisbôa. O rol de procedimentos da ANS consiste em uma lista de cobertura obrigatória por planos de saúde, baseada em doenças classificadas pela Organização Mundial da Saúde. O índice é revisado a cada dois anos com base em critérios técnicos para inclusão de novos tratamentos.

Lista completa de novos tratamentos


Diagnóstico de dengue – Teste rápido, como funciona?

O teste rápido é um dos exames laboratoriais para diagnóstico de dengue, junto com os sintomas apresentados, proporcionam ao clínico concluir ou descartar um caso suspeito de dengue. A avaliação da quantidade de plaquetas circulantes no sangue também colabora para evidenciar a doença e principalmente para observar sua evolução. Além destes existem outros testes que podem ser feitos logo no início dos sintomas, e a sorologia para dengue, mas são exames que muitas vezes não estão disponíveis na rede de saúde pública, entre eles: Isolamento do vírus, detecção do antígeno em tecidos fixados, teste de inibição de hemaglutinação e RT-PCR. Estes métodos são mais específicos e servem para confirmação de infecção pela dengue.

O teste rápido é relativamente barato e geralmente está disponível nos laboratórios da rede de saúde pública. O teste rápido de dengue utiliza metodologia imunocromatográfica, a detecção é qualitativa e diferencia as imunoglobulinas IgG e IgM nos resultados. Identifica-se qualquer um dos 4 sorotipos do vírus da dengue, durante a realização do teste rápido. Imunoglobulinas IgG ou IgM, quando presentes na amostra (sangue do paciente é coletado e separado por centrifugação), se ligam aos antígenos recombinantes (1,2,3 e 4) do envelope viral, formando um complexo antígeno-anticorpo, que vai migrar ou “correr” pela fita por capilaridade, então serão capturados por anti-IgG e anti-IgM humanos imobilizados em duas áreas distintas desenvolvendo cor na faixa do IgG, IgM ou em ambas.

Foto: portuguese.alibaba.com

Na área controle também aparecerá coloração confirmando desta forma que o teste está funcionando bem e de forma correta. Se for um teste negativo apenas a faixa controle vai desenvolver cor. A sensibilidade do teste varia em torno de 99%, e a especificidade é por volta de 98%. Os resultados do teste rápido de dengue podem ser verificados neste texto que escrevi sobre o assunto. Muitos municípios neste momento no país passam por momentos de elevado número de casos confirmados e muitos suspeitos de dengue, sobrecarregando as unidades de saúde, o teste rápido é uma ferramenta importante no conjunto de medidas para controle, diagnóstico e tratamento da doença.



Testes para chikungunya e dengue passam a ter cobertura obrigatória no Brasil Testes para chikungunya e dengue passam a ter cobertura obrigatória no Brasil Reviewed by Natan Cardoso on 1/05/2016 08:30:00 PM Rating: 5

WRB nas redes sociais